É PRECISO SER MÉDICO PARA PRATICAR ACUPUNTURA?

 

 No site France 5 e no programa Alô Doutor, um artigo intitulado “Os praticantes de medicina chinesa são formados legalmente na França?” apresenta uma entrevista do Dr.Olivier Duhamel sobre a prática da Acupuntura e seu ensino na França.

 

O Dr. Olivier Duhamel, habilmente sustentado por um jornalista que também é médico, proclama três coisas interessantes:

1. Segundo ele, é necessário ser médico para praticar a Acupuntura.

2.  A razão apresentada é que antes de tratar um paciente é preciso ser capaz de fazer um diagnóstico médico ocidental com os exames complementares como raio-X , ressonância magnética, etc.

3. Os médicos, hoje em dia, são formados para obter um diploma interuniversitário de acupunturista.

 

O que nós encontramos de falacioso nesta entrevista é que não se dá a palavra a um Acupunturista não-médico para defender seu ponto de vista. Um médico (jornalista) serve a sopa ao seu colega para desconstruir a imagem de uma profissão que cresce e que assume cada vez mais seu lugar na sociedade francesa: a dos praticantes de medicina chinesa não-médicos

 

Voltemos aos três principais pontos levantados.

 

É necessário ser médico para ser Acupunturista?

Bom, do ponto de vista legal na França, isto não é muito claro, mas do ponto de vista da legitimidade, certamente não. Inicialmente porque a Acupuntura nasceu na China onde a medicina ocidental não existia. Portanto, se precisasse ser médico “ocidental”para praticar a Acupuntura, esta Arte do Cuidar não existiria. Em seguida, nos EUA, Canadá, Austrália, nos nosso primos do Quebec, na Suiça, na Alemanha, a esmagadora maioria dos Acupunturistas não são médicos, prova de que não existe nenhuma necessidade de ser médico.

Nós gostaríamos de lembrar ao Dr Duhamel e ao Cymes (o jornalista) que é o exercício da medicina que é ilegal para um não-médico, não a Acupuntura, nem a Medicina Chinesa, já que não se trata da medicina tal como a entendemos em nossas sociedades.

 

Ser médico garante a segurança sanitária durante a prática da Acupuntura?

É evidente que para todos a proteção dos pacientes está acima de tudo. O praticantes não-médicos são altamente atentos à este ponto crucial. Primeiro, eles são cada vez mais bem formados para reconhecer as situações onde devem encaminhar o paciente para o médico que o acompanha. Em seguida, sejamos sérios.  Todas as pessoas que visitam um praticante de Medicina Chinesa chegam após ter feito o “tour” de especialistas e  trazem um diagnóstico preciso, por vezes com um conhecimento tão atualizado quanto seus médicos de família! E depois, se o diagnóstico da medicina ocidental é remarcável e incontornável numa sociedade ultra tecnológica, é necessário lembrar ao Dr. Duhamel que a Medicina Chinesa possui seus próprios instrumentos de diagnóstico, que permitem ao Acupunturista, na maioria dos casos, encaminhar seus pacientes aos serviços de urgência quando necessário. É inútil desmerecer a Medicina Chinesa para integrá-la na nossa sociedade. Enfim, observemos o que se passa em países estrangeiros. Será que os não-médicos, que são habilitados a praticar a Acupuntura nos EUA, Canadá, Austrália, Quebec, Suiça, Alemanha são responsáveis por uma avalanche de acidentes e erros médicos? NÃO, nenhum acidente grave à desaboná-los! E esta profissão se desenvolve harmoniosamente, sem fazer nenhuma concorrência. Por outro lado, no Ocidente, os últimos acidentes ligados ao ato acupuntural como o pneumotórax foram todos produzidos por médicos. Devemos urgentemente proibir a Acupuntura aos médicos?

 

Os médicos acupunturistas são bem formados?

O Dr. Duhamel afirma que a razão pela qual deve-se procurar um acupunturista médico para se tratar é que eles seguem, atualmente, uma formação que leva a um diploma interuniversitário. Estas famosas formações para médicos são, atualmente, o que há de mais fraco em toda a Europa. Todas as escolas de Medicina Chinesa particulares, ridicularizadas pelo nosso jornalista médico, oferecem formações bem mais completas, bem mais atualizadas, bem mais sérias. É incomparável. Com o nívelde conhecimento promulgado nestas faculdades, estes médicos não poderiam se quer obter o diploma de enfermeiros de Medicina Chinesa. Eis a verdade.

 

Nossa conclusão

Esta entrevista visa proteger o privilégio dos médicos e não o interesse do paciente. É um grande clássico.

Nós temos, no entanto, um conselho ao médicos acupunturistas: tentar destruir os Acupunturistas não-médicos não lhes fará serem mais aceitos por seus colegas da medicina convencional. Eles manterão a mesma desconfiança, até o mesmo desprezo para com vocês. Vocês estão errando o alvo. Os adversários de vocês não são os Acupunturistas não-médicos que estão numa situação muito parecida com a de vocês. Seu adversário é o medo. O medo da classe médica sobre algo que ela não conhece, que não domina, que rejeita por ignorância. É através da associação de nossas respectivas forças e usando a pedagogia que nós faremos evoluir a consciência coletiva no interesse de desenvolver a Acupuntura e a Medicina Chinesa na França,como já acontece há mais de 20 anos em vários países ocidentais.

 

Fonte¹: http://osmcmedecinechinoise.blogspot.com.es/2013/04/faut-il-etre-medecin-pour-pratiquer.html

Fonte²:http://www.allodocteurs.fr/actualite-sante-les-praticiens-en-medecine-chinoise-sont-ils-formes-legalement-en-france--9728.asp?1=1

 

Please reload

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram